quarta-feira, 19 de março de 2008

Um sonho que tive esta noite

Num futuro...
Robôs se digladiando.

Partes de uns sobrevivem...
Executam a ordem máxima!
Se juntar a outras...
Formar uma nova máquina...
Continuar a luta.

Um deles descobre uma chave.
A ordem escondida...
Secreta!
Enterrada em seus circuitos.
Corajosamente!
Envia aos outros...

Executar a ordem 555.
“Destruir os chips de guerra”
O mundo se cala...

A união, do bem que resta.
Tecnologicamente em paz...



Copyleft © 2008 Sincero Zeferino Filho (OhEremita)

3 comentários:

Juli disse...

Bom dia! Reflexivo. Sonhos trazem tantos significados.Estudiosos dizem q os sonhos revelam desejos. Religiosos q são proféticos, Espiritualistas q são vivências extracorpóreas. Eu penso q são msgs do inconsciente nos chamando à refletir. Sou sonhadora de carteirinha. Robôs (senso comum), não têm sentimentos. Mas e quem os programa? Desejamos agir como robôs? Projetamos nas máquinas nossos desejos? Será q estamos abrindo mão de nossos sentimentos? Divaguei... Lembrei dos jogos eletrônicos q tanto atraem os jovens, não serão eles uma maneira de sermos o q somos sem culpas? Bj poesia

Marcos A.T. Silva disse...

Olá, Sincero!

Há algum tempo já acompanho seu blog e seus poemas, mas nunca comentei, não sei bem porque.

Mas este poema achei muito especial e singelo. Já imaginou a paz no mundo vir através das "máquinas", algo como um "exterminador do futuro" ao inverso? rsrs

Meus parabéns, e um grande abraço!

Sincero Zeferino Filho (OhEremita) disse...

Obrigado a vocês pelos comentários.

Juli: Sempre com suas sábias palavras. Bom tê-la assim tão perto.

Marcos: Fico feliz, que goste do que escrevo. Também por nos fazer companhia.

Felicidades!!!